Guarda Municipal de Sete Lagoas atende a mais de 100 denúncias por dia pelo 153

A GCM atende ocorrências rotineiras e, durante a pandemia, está tendo forte atuação para evitar a propagação do coronavírus.

 

Mesmo com mais de 100 ligações por dia, a Guarda Civil Municipal (GCM) tem se desdobrado para atender às demandas de fiscalizações em estabelecimentos e logradouros públicos. Além da equipe de saúde, é um setor atuante na linha de frente no combate à propagação do novo coronavírus no município. Mesmo sem aumento do efetivo da corporação durante a pandemia, a GCM atende às demandas oriundas da Covid-19, além das ocorrências de praxe que são de responsabilidade da corporação.

Entre as principais ocorrências atendidas por meio do telefone 153 destacam-se aglomerações e estabelecimentos funcionando em desacordo com os decretos municipais. Diante da denúncia, o setor analisa se a resolução é ou não de competência da Guarda e avança no procedimento, disponibilizando viaturas.

Em função da pandemia, o número de denúncias aumentou e, as vezes, pode ocorrer congestionamento de ligações telefônicas. “Pedimos paciência à população, são mais de 100 ligações diárias para uma única linha e tentamos ser o mais claro possível com a população”, explica o comandante Sérgio Andrade. Ele ainda ressalta sobre as denúncias falsas recebidas motivando o deslocamento de equipes sem necessidade, atrasando outras ocorrências.

A Serra Santa Helena está sendo sério problema em tempos de pandemia. O local tem grande frequência de pessoas que muitas vezes não respeitam as normas sanitárias que evitam a propagação do novo coronavírus. “A Guarda, por sua vez, sobe, orienta os visitantes a descerem e não aglomerarem, porém, ao saírem em outra missão, o local é frequentado novamente. O mesmo acontece no Parque Náutico da Boa Vista”, explica Sérgio Andrade.

Um outro trabalho de orientação da Guarda é realizado nas filas de bancos. Segundo o comandante Sérgio Andrade, as aglomerações ocorrem com mais incidência na primeira quinzena de cada mês. “Os bancos fazem as demarcações dos locais, pedem para não aglomerarem e irem em dias alternados, mas ainda assim, na época de pagamentos de salários de aposentados, auxílio emergencial e pagamentos de empresas em geral, as filas são enormes”, acrescenta.

Em Sete Lagoas, diversos bares e restaurantes já tiveram seus alvarás suspensos por desobediência dos decretos municipais, que seguem o Programa Minas Consciente, do Governo do Estado. Ao receber uma denúncia, a GCM vai até o estabelecimento e notifica o proprietário. Já em caso de reincidência, ocorre a suspensão do alvará de funcionamento.